Rua Helena, 170 - conj. 23/ 24 - Vila Olímpia - 04552-050 - São Paulo - SP
(11) 5081-5351 ou (11) 5081-7951

Presidente da Abetre alerta para destinação de resíduos sólidos no Brasil: “Verdadeiro câncer para a sociedade”

Associação Brasileira de Empresas de Tratamento de Resíduos e Efluentes

Created with Sketch.

MARIANA DIAS |26 de outubro de 2020 | 18h10

 

 

Em todo o país, 60% das cidades 5.568 cidades brasileiras possuem lixões a céu aberto. O município é responsável pela coleta, tratamento e destinação do lixo, mas muitos acabam destinando o material de forma irregular, com a alegação de não haver recursos.

A discussão serve como alerta aos candidatos à prefeitura das cidades do Brasil, para que tenham em suas propostas de governo, medidas que contemplem as questões de resíduos sólidos.

“O que pesa mais hoje é não ter ainda no país, solucionado o assunto dos lixões. A Política Nacional de Resíduos Sólidos foi promulgada há mais de 10 anos, e esse verdadeiro câncer para a sociedade brasileira continua”, comentou o presidente da Associação Brasileira das Empresas de Tratamento de Resíduos e Efluentes (Abetre), Luiz Gonzaga.

De acordo com Luiz Gonzaga, atualmente existem 3.257 lixões espalhados pelo país. Segundo Gonzaga, o local traz danos ao meio ambiente e ao lençol freático. “Recentemente, tivemos a aprovação do Marco Regulatório do Saneamento Básico, e parece que começamos a ter uma luz no fim do túnel, com o propósito de resolver essas questões”, acrescentou.

Segundo o Luiz Gonzaga, um dos princípios desse Marco é o estabelecimento de tarifas pelos serviços recebidos. Ou seja, é a cobrança de taxa para a coleta, o transporte, tratamento e destinação final dos resíduos sólidos.

“Existe no mundo a tentativa de se fazer a reciclagem dar dinheiro, mas a reciclagem custa dinheiro. Para você separar, levar de onde separou até a fonte que vai receber, custa dinheiro. Infelizmente, vivemos em um mundo capitalista e a gente precisa de fazer as coisas cobrando”, salientou.

Fonte: Sagres Online.